Textos


…De ver Poesia

A minha mãe morreu em Abril...
Nunca a primavera foi tão linda!
Por todo o lado havia flores brancas e roxas, que sempre lá estiveram mas eu, que tinha seis anos, nunca tantas vira!
As brancas eram dos espinheiros, breves como os flocos de neve
...que sempre tentava guardar nas palmas das mãos fechadas.
As outras eram lírios roxos e açucenas, que cobriam o vestido de noiva com que minha mãe seguiria para sempre vestida.

Houve outra primavera quase tão linda: cheirava intensamente a eucalipto e os campos eram verdes verdes!
O rio Tejo ia mais azul que nunca!

Eu passava na minha rotina, pesada com a minha filha, que nasceu noutro Abril, dezanove anos depois.
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 13/04/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr