Textos




Sofro de dor crónica há anos! Tudo começou com esporão no calcâneo, depois ciática na perna esquerda. Sofrendo muito, andei com palmilha de ferro e fiz acupunctura, o que devolveu a possibilidade de andar mas é muito dispendioso e o dinheiro acabou. Não fiquei curada.
Aí surgiu a dor no calcâneo do pé esquerdo, inflamação do tendão de Aquiles, tantas dores!
Num hospital colocaram-me na unidade para tratamento da dor, mas nunca fiz fisioterapia.
A certa altura fui parar ao consultório de um médico que fez rizotomia e, supostamente, infiltrações de ozono. Sem anestesia, eu tinha de encaminhar o cateter ao lugar de onde emanava a dor, de olhos postos no écran.
Creio, pelas facturas solicitadas pela companhia do seguro de saúde, que me utilizou como cobaia. Posteriormente fui sabendo que o tal médico anda a fazer ensaios para a tese de doutoramento.
Tenho estado com dor ciática bi-lateral, excruciante! Tanto que recorri várias vezes ao hospital, onde me injectavam um saco de analgésico na veia, por algumas horas ficava sem dor. Depois voltava: era como se o meu nervo ciático, tanto na perna esquerda quanto na direita, fosse um ferro em brasa que me percorria, a dor insuportável, que me levava ao desespero. Não tinha posição nem deitada nem de forma alguma. Tomava medicamentos muito fortes e opióides.
Fizeram-me análises: os meus órgãos (fígado, pâncreas, rins) estavam em falência. Por minha conta e risco, diminuí a medicação, larguei os opióides. De qualquer modo tinha dores terríveis.
Vou falando no passado.
É que, dois anos após a rizotomia, consultei um neurocirurgião que mandou fazer nova ressonância magnética: Piorei! Agora tenho estenose (aperto) do canal raquidiano e houve torção de ligamentos. Mas a inflamação (queimação) diminuiu.
Tenho cirurgia marcada para Janeiro, falta um mês.
Vai ser retirado o disco doente e em seu lugar será colocada uma prótese. Vai ser realinhada a coluna, recuperados o canal raquidiano e os ligamentos.
Não tenho quem me socorra e, em cirurgias feitas ao longo da vida, sofri horrores no pós-operatório.
Frequentemente caio desamparada, bati duas vezes com a cabeça fazendo grandes hematomas. Mesmo se me ajudam, na rua, não consigo recuperar as forças, os músculos não obedecem, só passado algum tempo consigo manter-me em pé.
Embora a inflamação esteja mais calma, tenho muitas dores, não consigo ficar em pé mais que 10 minutos.
Aliás, nenhuma posição me é permitida, é difícil ler, escrever... dor e desconforto permanentes.
Deus, que está connosco, tenha piedade de mim!
A todos, um fraterno abraço e votos de saúde, amor e paz.
Feliz Natal!
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 10/12/2018
Alterado em 11/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr