Textos




O poeta verdadeiro
Nunca nega versejar
Pois se doa por inteiro
À rima do verbo amar

Mesmo que os olhos ardam
Por tal  amor dedicado
Até com os olhos doendo
Segue o poeta seu fado

Passando e lendo quem diz
Que os versos assim lavrados
E que a sua alma canta
São de olhos magoados?!


Perdoem os amigos a quem tenho faltado, mas venho aqui entre um e outro pingo de colírio.
Beijinhos com o meu carinho e gratidão,
Maria
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 13/08/2007
Alterado em 13/08/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr