Textos





a lua é um pranto de ouro no céu
uma gaivota tresnoitada
lança na penumbra
um estridente apelo

absurdamente desperta
obstinadamente lúcida
pergunto ao universo
onde se terá escondido
Morfeu

perco-me na distância
contemplando o reflexo
das luzes que marginam
as águas do Tejo dormido

Tejo amigo envolve-me
nos teus azuis lençóis
onde agasalhas o sol
que tão cedo surgirá
derramando esplendor
nos telhados vermelhos
nas arvores e flores
dos velhos quintais

o cansaço tem o peso
de uma cordilheira
esmagando o meu peito
late um batuque arrastado
dentro do que sou
mantendo livre e pleno
quem sou Eu.
 
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 05/07/2014
Alterado em 05/07/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr