Textos























diga-me agora quem sabe
se a inteligência nos vale!

o meu canarinho tão esperto
acabo de ver sufocado,
com o bico acinzentado...

pequenino curioso
quis debicar mesmo o cimo
do cone do comedouro
e ali jazia preso....
o seu peito amarelinho,
fole amoroso de canto,
sem ar, levou-lhe o encanto

o meu canarinho está morto!

diz-me tu, que sabes tudo
mais alcança o ser néscio

comendo aparas do fundo
olhando apenas pra baixo
e não ir espreitar o cimo
o lugar donde vem tudo!

diz-me tu,  sábio sisudo
para será que me vale
a inteligência que tenho,

... se é que não vais negar-me
ter alma e Ser semelhante
ao meu amigo canário!
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 08/12/2013
Alterado em 08/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr