Textos




I

 

se tudo quanto vemos é ilusão dos sentidos

se as verdades são flores que se vão abrindo e logo delindo

se tudo se move porque os átomos estão condenados a correr

infinitamente

se as estrelas se vão afastando, calando

o mistério afogado entre chamas atrações e explosões

que posso eu fazer senão manter a minha brevidade em suspenso

sem duvidar ou crer senão na minha legítima inquietação?



II

se o teu amor faz parte das minhas quimeras

que poder terei para duvidar ou crer

sendo esse amor mais leve que as brisas

sustentando apenas o voo das borboletas monarcas

tão lindas que nos fascinam

mas que não poisam jamais?

Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 16/11/2013
Alterado em 16/11/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr