Textos




Sabes como é bater á porta

e sentir: não entres!

ainda que ela se abra?

Sabes como é estenderes a mão

que fica sozinha no ar?


Como sa sentirá uma leprosa

apaixonada por um são?!


Sabes como é já não haver

nenhum lugar nem ninguém

que sinta tua falta?

Não contares.

Não seres nem memória



Se não apareces, esqueces.


Sabes como é ser indiferente

estares aqui ou ali,viva ou morta?


Seguires cega na luz suposta

que a tua quimera ilumina?

Os teus dedos tocando o nada

os teus pés não te levando além

do mundo inventado em ti mesma


sentir e escutar

chega p'ra lá a vida inteira?!


Sabes como é já nem te importar

que não importes nada?
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 09/12/2006
Alterado em 09/12/2006
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr