Textos




Lavadeira pobrezinha
Que lavas roupa no rio
Com água pelo joelho
Mesmo tremendo de frio

Ai tantas rendas que passam
Pelos teus dedos de seda
E tu, lavadeira, nem botas
Nem lenço sobre a cabeça!

Quantas peças tinha o rol
Que recolheste à tardinha?
Cada peça a um vintém,
Lavadeira pobrezinha....

Coram anáguas tão ricas
Na erva verde da margem
Crias teus filhos das côdeas
Que sofres, mulher coragem!



Lavadeira da cidade
Bate bate que chaqualha
Muitos momentos que encalha
Se falta eletricidade.

Adílio dos Santos
Maria Petronilho
Enviado por Maria Petronilho em 03/05/2009
Alterado em 13/05/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Petronilho (registo www.igac- ref 2276/DRCAC - Ministério da Cultura, Portugal)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: inoc/flickr